Carla Bessa - Minha Murilo

Literatura brasileira contemporânea
Carla Bessa - Minha Murilo - Editora Urutau - 148 Páginas - Capa e diagramação: Victor Prado
Imagem de capa: right and left (1909) - Winslow Homer - Lançamento: 2021

O mais recente lançamento de Carla Bessa é uma novela que mantém a urgência e a força dos contos do premiado Urubus (Jabuti de 2019). Em Minha Murilo, a autora aborda a questão de gênero e identidade em um thriller sobre sequestro no qual vítima e agressor estabelecem entre si uma relação de dependência muito além da identificação emocional entre sequestrado e sequestrador, tão característica da Síndrome de Estocolmo. Neste livro, o leitor acompanha o processo de desconstrução ou transformação dos personagens para sobreviver a um passado de violência e inadequação familiar.

Sasha é uma travesti que faz ponto nas ruas da Glória no Rio de Janeiro. Ela é sequestrada por um homem solitário que construiu um cativeiro em um porão de sua casa: "Sasha está sentada numa poltrona e entreabre as pálpebras inchadas com esforço. Um líquido espesso escorre do seu nariz. A visão é parca. A pouca claridade se esgueira por frestas e arestas ou por baixo de portas. Os olhos se habituam aos poucos à falta de luz. Ela vira a cabeça dolorida e vê a silhueta de um homem sentado à sua frente." Assim tem início a narrativa veloz e cinematográfica que surpreende a cada revelação e prende o leitor até o final.

"Agora, está com trinta e cinco anos, mas na verdade Sasha é bem mais jovem do que aquele corpo. Faz exatos vinte anos que se decalcou do corpo de Murilo. Teve que esperar a mãe morrer, a mãe que tanto amava, teve que enterrá-la para que pudesse trocar de pele. Foi ao velório ainda como homem, mas puxando atrás de si uma mala. Nela, estava a Sasha. Sepultou a mãe e o Murilo na mesma cova. Não voltou para casa. O pai se admirou e a última imagem que tem dele é a de um homem velho e abatido, de pé embaixo do portal com os dizeres 'Aqui todos são iguais'. Quando ele a viu saindo do banheiro feminino da lanchonete que ficava em frente ao cemitério, chegou a pôr a mão no cinto, mas não conseguiu nem chamar o filho pelo nome. Em todo caso, ela já não mais atenderia."

Ao longo do sequestro Sasha vai retomando aos poucos a sua antiga identidade como Murilo, assim como seu corpo original que perde as caracterísitcas femininas. Um relacionamento confuso e instável se estabelece entre os dois personagens e os papéis de vítima e agressor começam a se inverter em um jogo psicológico muito bem construído por Carla Bessa que escapa dos clichés do cinema ao conduzir a narrativa com segurança até o final inesperado. 

"Ela vive com fome. Aprendeu a desenvolver estratégias para se alimentar melhor. Consegue distraí-lo por alguns segundos, nos quais enfia rapidamente algo na boca. Engole sem mastigar, como os lobos ou os mendigos. Devora. Um instinto animal para comer mais e mais rápido quando não se sabe da próxima refeição. Outro truque é aliciá-lo, seduzi-lo a beber álcool ou deixá-lo confuso com alguma pergunta. Hoje ele abriu uma garrafa de vinho, que toma sozinho, naturalmente. Ela o anima a beber. Já está na terceira taça, quando ela começa a beliscar direto da panela e ele nem nota. Depois do jantar, está levemente embriagado. Diz para ela arrumar toda a cozinha e fica observando e bebendo. Ela trabalha o mais devagar possível. Quando termina, a garrafa está quase no fim e ele, completamente bêbado. É como um abismo. Ela se movimenta com cautela na beirada entre a raiva e o carinho do homem." 

Carla Bessa - Minha Murilo
Right and left (1909) - Winslow Homer

Sobre a autora: Estudou teatro na UNIRIO e na Casa de Artes de Laranjeiras, no Rio de Janeiro. Em1991 emigrou para a Alemanha onde trabalhou por 15 anos como atriz e diretora de teatro. Hoje, vive entre Berlim e Rio e trabalha como tradutora literária alemão-português do Brasil e escritora. Traduziu importantes nomes da literatura contemporânea alemã para as editoras brasileiras. Como autora, publicou dois livros de contos: em 2017, Aí eu fiquei sem esse filho (Oito e meio) e em 2019, Urubus, pela Confraria do vento. Em 2020, Urubus ganhou o Prêmio Jabuti na categoria Contos e ficou em 2° lugar no Prêmio Biblioteca Nacional. Além disso, publicou contos em antologias e revistas na web e escreve regularmente resenhas para o Jornal Rascunho e para a Capitolina Revista.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar Minha Murilo de Carla Bessa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura francesa