Sérgio Rodrigues - A vida futura

Literatura brasileira contemporânea
Sérgio Rodrigues - A vida futura - Editora Companhia das Letras - 168 Páginas - Capa de Elisa von Randow - Imagem de capa de Catarina Bessel - Lançamento: 2022.

O mais recente lançamento do escritor e jornalista Sérgio Rodrigues é um romance muito bem-humorado que aproveitando-se de seu virtuosismo com a língua portuguesa, utiliza ninguém menos do que Machado de Assis como narrador-protagonista; um autor defunto seria um perfeito narrador onisciente, considerando os seus poderes de além-túmulo, mas não é o caso aqui, como o leitor logo virá a constatar. Ainda não satisfeito, Sérgio coloca, de quebra, José de Alencar como seu companheiro de aventuras no Rio de Janeiro pandêmico do século XXI. O autor de Memórias Póstumas de Bras Cubas vem acompanhar o amigo imortal em uma missão muito especial: puxar os pés da professora que organiza um projeto de reescrita dos clássicos.

O orgulho ou a "vaidade que sobrevive à morte" é o ponto de partida da trama, quando os Jotas ficam sabendo, por meio de um boato nas nuvens, do projeto de popularização dos clássicos. Esta é a oportunidade para uma das muitas tiradas geniais de Sérgio Rodrigues de flertar com a filosofia machadiana, na forma e conteúdo do texto: "Seria o orgulho uma espécie de cabelo, eu pensava, de uma unha, parte mineral e imperecível da carcaça humana?", ou nesta outra passagem: "O mistério das cousas do universo guarda tanta obscuridade aos vivos quanto a nós, não fazendo a morte senão trocar nossa posição no tabuleiro: se antes jogávamos com as brancas, agora nos cabem as pretas. As regras, como a angústia, são as mesmas."

"A imortalidade das letras é para poucos, escrevi certa vez com a pena prematura dos vivos, mergulhada naquela tinta mista de arrogância e candura a que chamamos de sangue. Corrijo-me, leitor, leitora ou que outro gênero inventem de inventar. As nuvens que nos servem de leito lembram alojamentos militares, o pé do insigne poeta pernambucano no nariz do dramaturgo francês, o ironista irlandês a roncar junto da orelha peluda do romancista russo. É natural que tanto aperto desande por vezes em altercações ríspidas e babélicas, afugentando o sono. / Paciência, há que cultivá-la; e paciência eterna, se ocorre de estarmos na eternidade. As condições insatisfatórias de nossa instalação no Olimpo não devem preocupar os vivos: Já constituímos uma comissão para redigir em três mil vias, todas adornadas com excelentes carimbos, um requerimento aos andares superiores da administração celeste. A menção ao relativo desconforto em que padecemos a desmesura universal não pretende mais do que ilustrar a cena da chegada do boato." (p. 9)

Como exemplo do polêmico procedimento de popularização ou simplificação de textos literários – em termos politicamente corretos –, comandado pela professora Stella McGuffin Vieira, a clássica citação de Machado de Assis: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria” se transformaria em algo assim: "Não tive a oprtunidade de ter filhos, não transmiti a nenhuma criatura a herança de nossas modestas aquisições." (p. 161). Imaginem a controvérsia no Olimpo dos escritores, habitado por Dumas, Flaubert, Dostoiévski e tantos outros, nomeados apenas por seus apelidos (um decreto celeste para tentar mitigar a questão dos egos literários), tais como os clássicos autores brasileiros: Alagoano, Dramaturgo, Russa, Delegado, estabelecendo um divertido processo de identificação para o leitor.

"Para resumir um caso comprido, meditei que um dos defeitos mais gerais entre nós, brasileiros, é achar sério o que é ridículo, e ridículo o que é sério. Sabia-o antes de ser um autor defunto e mais o sei agora. A nata de nossa crítica literária levou sessenta anos para começar a quebrar o código de meu romance mais famoso, e hoje querem que ginasianos de joelhos ralados e álbum da Copa debaixo do braço decifrem tudo antes do bigode. Se conto isso a Molière, inspiro-lhe uma comédia em dois atos. [...] Eis a conclusão a que cheguei, gentis compatriotas: reescrevam-me à vontade! Cancelem palavras raras e chistes eruditos; amputem cisnes de Leda, hidras de Lerna e asas de Ícaro; aplainem sem piedade as ordens inversas, as ousadias sintáticas, as cousas grandes ou miúdas. Depois de tudo o que vi no mundo – nos mundos –, creio poder afirmar que já nada me fará mossa. Se de resto me agastar algum aspecto dessa novela, pago-lhes com um peteleco e, como dizem hoje, tchau." (pp. 17-8)

Machado de Assis demonstra estar menos interessado no estrago de suas obras pelo tempo do que José de Alencar, apavorado com a perspectiva de uma "segunda morte". Na verdade, o bruxo do Cosme Velho concentra a sua atenção em aspectos mais "existenciais" da trama, digamos, ao se encantar com Mariana, uma jovem estudante negra e não binária, moradora da Rocinha e que simboliza no romance as questões de gênero e raça. Sérgio Rodrigues escreve, portanto, sobre coisas sérias com leveza e um fino humor irônico, machadiano por que não dizer. Um livro recomendado, criativo e muito bem escrito, cujo único defeito é ser tão breve.

"De repente éramos três espremidos na poltrona de estampa de lírios, uns sobre os outros, e do primeiro beijo de Stella e Mariana eu posso ter participado também, entre desavisado e sonso; de todo modo, era tudo confuso demais para que eu possa afirmar qualquer cousa ao certo. Não segui com elas para a cama, isso posso garantir; talvez por ainda me restar algum pudor, como eu gostaria de crer, ou que sabe por pura incapacidade de me mover dali. Lembrei-me do Dramaturgo dizendo que o tempo também é lugar, é mais lugar do que o lugar. Quando ainda estava na poltrona, acariciando as coxas lácteas da professora em seu colo, Mariana tinha dito que daquele momento em diante queria ser chamada de Mar. [...] Não binário! Foi o que disse o Mar, a Mar, me tragando como uma ressaca para dentro de seu silêncio. O enigma humano da linguagem me esmagava." (p. 123)

Literatura brasileira contemporânea
Sobre o autor: Sérgio Rodrigues nasceu em 1962. Mineiro que adotou o Rio de Janeiro, lançou, entre outros, os romances O drible (livro do ano de 2013 no prêmio Portugal Telecom, atual Oceanos) e Elza, a garota, além dos livros de contos O homem que matou o escritor e A visita de João Gilberto aos Novos Baianos, do almanaque Viva a língua brasileira! e, como organizador, da antologia Cartas brasileiras ― todos publicados pela Companhia das Letras. Tem livros editados na França, em Portugal, na Espanha e nos Estados Unidos. Mantém uma coluna sobre língua e linguagem na Folha de S.Paulo

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar A vida futura de Sérgio Rodrigues

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura dos Estados Unidos

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

20 grandes escritoras brasileiras