Sandra Godinho - A secura dos ossos

Literatura brasileira contemporânea
Sandra Godinho - A secura dos ossos - Editora Patuá - 184 Páginas - Capa: Maria Carolina Godinho - Introdução de Mikael de Souza Frota - Lançamento; 2022.

O romance mais recente de Sandra Godinho demonstra a maturidade atingida pela autora após uma curta e intensa carreira literária. De fato, alguns de seus premiados livros anteriores, tais como: Tocaia do norte, A morte é a promessa de algum fim e Estranha entre nós, parecem ter pavimentado o caminho para a importância e urgência desta obra, na qual, mais uma vez, o registro histórico é a base de toda a construção ficcional. Em A secura dos ossos, finalista do Prêmio Leya 2022, o Massacre de Haximu, ocorrido em 1993, é revisitado com sensibilidade e lirismo, mas sem omitir a brutalidade da execução de homens, mulheres e crianças do povo indígena Yanomami que habitavam a região montanhosa de fronteira entre Brasil e Venezuela.

A narradora-protagonista,Tainá Terra, busca compreender porque foi abandonada pela mãe, Amana Terra, aos cuidados do avô em Encantado das Almas, um pequeno povoado ribeirinho, localizado na selva amazônica. Tainá parte em busca da mãe na companhia de Tião Rocha, um jovem seduzido pela promessa dos ganhos financeiros decorrentes do garimpo ilegal na região. Ambos são capturados pelos Yanomami e apresentam reações diferentes ao conflito entre o modo de vida comunitário e espiritual dos povos indígenas e comunidades locais, pretensamente civilizadas. Enquanto Tainá aprende a exercer a própria espiritualidade, após a descoberta de quem é seu pai e do que aconteceu com a mãe, Tião se junta aos garimpeiros.

"Era preciso não perder o senso de realidade, especialmente se tratando de Encantado das Almas, nossa aldeia perdida dentro da selva, onde os mais velhos caminhavam de olhos fechados pelas trilhas e picadas com espantosa destreza, despojados do visual sentido, podendo se orientar somente pelo vento que uivava por entre os galhos, pelo vozeio das pessoas ou pelo canto dos pássaros. Os velhos calejados pela civilização se encontravam tão moldados por esse estado de espírito oriundo do fastio ou da vergonha, tão decantados pela decadência da própria espécie, que já nem mais se aborreciam, acostumados com a escuridão dentro e fora deles. Os velhos, cegos, traziam a sabedoria em seus avessos e a ostentavam como se só assim soubessem viver, prescindindo de todo o resto." (p. 21)

Tainá resiste no início às práticas dos indígenas mas, conduzida pelo xamã da aldeia e pela jovem Luara, passa a conviver com os xapiri, espíritos de tudo que foi vivo um dia sobre a terra, aspirando o pó de yãkoana que nos transforma também em espíritos: "As vozes das árvores, as vozes das águas, as vozes das pedras, todas se avolumavam na minha mente a cada aspirada do yãkoana; eram como vultos se avivando aos poucos, crescendo em importância, ou só então eu lhes reparava a essência. O voo sobre as árvores, a ardência do sol, a força do dia, a cumplicidade da noite que dividia o que era possível e o improvável, era por esses veios que eu vagava."

"A cada novo encontro, o Yanomami lhe trazia uma orquídea de cor diferente, até que Ama pediu que a levasse para conhecer o lugar onde nasciam as flores, pois ela só conhecia as de pano. E ele, até então, só conhecia as naturais. Assim ela embarcou na ubá, sem pestanejar nem piar, seguindo até um varadouro onde, para além da savana, avistou tantas flores de diferentes cores vicejando em troncos de árvores. Os amantes rasgaram sorrisos, falavam para além das palavras, já que a linguagem dela não alcançava a dele a não ser pelo corpo, já que a voz dela e a dele se confundiam num mesmo murmúrio de desejo. Quando se tornaram um só corpo e pensamento, cada um tratou de aprender a língua do outro, apenas como apêndice ou como cortesia, não porque precisassem. em pouco tempo, um já arriscava alguma palavra na língua do outro, pois o amor sempre cria pontes, ainda que fosse um diálogo rudimentar. Em dois meses, já se comunicavam com razoável desenvoltura." (pp. 45-6)

O romance foi inspirado pelo livro A Queda do Céu, de autoria do xamã, líder político e escritor Davi Kopenawa e do etnólogo Bruce Albert, e também do livro Haximu, de autoria de Jan rocha, vindo se juntar às denúncias contra a barbárie recorrente nas terras Yanomami e as práticas de genocídio comuns às atividades ilegais de garimpo e extração de madeira que resultam, em última análise, na violência contra a natureza e os povos indígenas em nosso país. A autora nos ensina a importância do retorno às nossas origens e o resgate da nossa individualidade como seres humanos, como bem destacado na epígrafe: "A busca às origens é também uma busca de valores."

"Eu soube que os índios, curiosos, realizavam visitas aos campos, enervando os garimpeiros com suas presenças, interrompendo as manobras e a escavação. Quando os Yanomami perceberam os rios tingidos de rejeitos, as doenças se alastrando entre eles e a floresta em charcos enlameados, a coexistência pacífica entre eles ficou impossível. A relação entre as partes começou a azedar. Os brancos não só se mostraram arrependidos quanto temerosos do mal uso que os indígenas poderiam fazer das armas presenteadas. A fingida cortesia foi uma tática errada, pois a intimidade dos nativos incluía visitações inoportunas, fazendo com que montassem vigilância. O sono do homem branco ressonava a temos. Cada despertar, um cansaço e uma dormência mal dormida, sonambulando entre homens que já aventavam alguma irritação e muitas providências. Suspeitei que a pólvora estava prestes a explodir." (pp. 146-7)

Literatura brasileira contemporânea
Sobre a autora: Sandra Godinho, nascida a 27/07/1960 em São Paulo, é graduada e Mestre em Letras. Publicou O Poder da Fé (2016); Olho a Olho com a Medusa (2017); Orelha Lavada, Infância Roubada (2018), menção honrosa no 60º Prêmio Literário Casa de Las Américas (2019); O Verso do Reverso (2019), Prêmio Cidade de Manaus 2019; Terra da Promissão (2019); As Três Faces da Sombra (2020); Tocaia do Norte (2020) Prêmio Cidade de Manaus 2020 e finalista do Prêmio São Paulo de Literatura 2021; Sonho Negro (2021); A Morte é a promessa de algum fim (2021), Prêmio Cidade de Manaus 2021; Estranha entre nós (2022); Memórias de uma mulher Morta (inédito) finalista do Prêmio Leya 2021. A Secura dos Ossos foi finalista do Prêmio Leya 2022.

Onde encontrar o livro: Clique aqui para comprar A secura dos ossos de Sandra Godinho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 grandes escritoras brasileiras

As 20 obras mais importantes da literatura japonesa

As 20 obras mais importantes da literatura portuguesa

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura italiana